Abrir chat no WhatsApp

eu@cleberalexandre.com.br

|

Conheça duas invenções brasileiras para controle de irrigação de baixo custo

Por Cleber Alexandre 

1 de junho de 2018

Praticar uma agricultura mais sustentável significa também pensar sobre o uso da água. A Embrapa acerta ao prover aos pequenos agricultores - rurais e urbanos - alternativas de controle de irrigação de baixo custo.

Embora a irrigação seja, para muitos produtores, atividade essencial e garantidora de uma boa produtividade, precisa ter algum tipo de controle, evitando o desperdício de água e também o excesso de irrigação.

É possível controlar a irrigação:

  • manualmente, ligando e desligando a irrigação no registro de água
  • conectar um temporizador analógico ou eletrônico com a bomba de água ou com a válvula solenoide
  • conectar um sensor de umidade da terra com bomba de água ou com a válvula solenoide

Depois de conhecer o sistema de produção de tomates e morangos por gotejamento, há muito tempo utilizado não só na hidroponia mas também em fazendas de agricultura orgânica e agora na aquaponia, comecei a ir atrás dos controladores de gotejamento. Na Europa encontrei diversos equipamentos, como os gotejadores eletrônicos temporizados e que funcionam a pilha.

Mister Landscaper Mwlt-Timer Mister Drip Irrigation Timer, vendido por menos de 50 dólares na Amazon.

Esses mesmos equipamentos, quando trazemos ao Brasil, começam a ficar caros - como tudo que vem de fora. Não é difícil encontrar um controlador básico por 250 reais ou mais! Ou seja, não funciona para um controle de irrigação de baixo custo em uma pequena área.

Sem contar que num projeto de irrigação temos que comprar as mangueiras, registros e reservatórios, o que é um belo investimento!

As duas opções desenvolvidas na Embrapa

Nesse contexto a Embrapa - como sempre fazendo um ótimo trabalho na busca de tecnologias alternativas - vem para nos presentear com duas opções de controle de irrigação de baixo custo.

A primeira, conhecida como Irrigador Solar, liga a irrigação quando o sol esquenta o sensor e desliga quando o sol vai embora. A segunda, conhecida como Acionador Simplificado para Irrigação (ASI), liga a irrigação quando a umidade do solo está baixa demais, e desliga quando ela se restabelece.

Detalhe de um gotejador em quiabo. Foto de Shree Krishna Dhital.
Detalhe de um gotejador em quiabo. Foto de Shree Krishna Dhital.

Vamos conhecer em mais detalhes o que cada sistema de controle automático de irrigação tem a nos oferecer.

Irrigador Solar

A invenção data de 2015 e foi desenvolvida na Embrapa Instrumentação, em São Carlos (SP).

Irrigador Solar - Foto de Paloma Bazan para o site da Embrapa.

A forma mais fácil de entender essa invenção é prestar atenção à garrafa preta. Quando o sol aparece, o ar dentro dela começa a esquentar, empurrando a água por uma mangueira, que começa a gotejar. Quando o gotejamento acontece cria-se um fluxo em que mais água é puxada do reservatório.

Se o sol desaparece, seja pelo anoitecer ou por uma chuva, o sistema para de liberar a água.

Assista o inventor Washington Luiz de Barros Melo falando sobre o equipamento para o Jornal São Carlos.

Aqui tem uma matéria do G1 mostrando mais detalhes do sistema.

Você pode encontrar instruções detalhadas de montagem do Irrigador Solar da Embrapa nesta cartilha.

Um problema dessa invenção é que, mesmo que o solo já esteja encharcado, ela vai continuar operando. Imagine se, após uma semana de chuvas intensas, faz sol logo depois: o sistema é acionado e mais água é jogada nas plantas.

Por isso eu prefiro uma outra invenção da Embrapa, que atua segundo o teor de umidade do solo.

ASI - Acionador Simplificado de Irrigação

Esse sistema, lançado em 2017, utiliza um sensor de umidade aproveitando a vela do filtro de barro. Esse sensor fica enterrado, e conectado por uma mangueira com um pressostato, uma peça encontrada em máquinas de lavar roupa e outros eletrodomésticos.

O pressostato é um interruptor elétrico. Quando você puxa água dele, ele deixa a eletricidade passar. Essa peça é ligada à bomba de água ou à válvula solenoide que ativa a irrigação.

O sensor de cerâmica conectado ao pressostato é capaz de controlar automaticamente a irrigação, liberando água apenas quando for necessária.

Assista aqui uma matéria sobre essa invenção da Embrapa. Esse sistema já é usado para produção de tomates em vasos com certificação orgânica.

E aqui está o passo a passo para você que se interessou pelo sistema.


Agradeço aos pesquisadores da Embrapa que participaram da criação dessas invenções, contribuindo para a acessibilidade do pequeno agricultor à tecnologia, e também por nos darem alternativas para combater o desperdício de água na agricultura.

E você, o que acha de montar um sistema desses para usar na sua produção? Conte nos comentários como está o seu projeto!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eu@cleberalexandre.com.br
Confira a previsão do tempo para Curitiba ❄️
linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram